Desabafo...

Ontem fiquei muito indignado com uma cena que vi. Estava dentro de um ônibus retornando do trabalho, quando um carro fechou o transporte público e escutei o motorista gritar: "Olha pra isso, estamos ferrados com essa baianada!". Tal frase saiu da boca de motorista que certamente é um paulista. Pois bem, não venho nesta postagem falar coisas demais, até porque namoro uma paulista linda, tenho familiares paulistas, amigos paulistas e irmãos em Cristo também paulistas.

Infelizmente assim como há preconceito de brancos com negros, de magros com gordos, existe ainda grande preconceito do povo paulista com os nordestinos num sentido geral. O povo de São Paulo descobriu uma maneira inteligente ou ao menos maquiavélica de maquiar o preconceito com o povo baiano ou nordestino, ou seja, mudaram o termo preconceito para: "...é apenas uma brincadeira...", ou "...é que achamos o sotaque de vocês engraçado...", pode até ser. O que falta de verdade na sociedade brasileira e em outros países é amor, respeito, ser humano de verdade. Lembro que na época da escola tinha uma professora de geografia inteligentíssima, o nome dela é Rozânia e por muitas vezes ela contava de suas experiências ao sair do estado da Bahia, da maneira que muitas vezes era tratada com sarcasmo, porém como uma ótima professora que sempre foi dava respostas a altura do que aquelas pessoas precisavam ouvir, eram colocadas em seus lugares e ainda de graça aprendiam de geografia.

Percebemos que os povos de alguns lugares não sabe distinguir o que é norte, sul, leste e muito menos oeste. Se paulistas, gaúchos, paranaenses, catarinenses, baianos e muitos outros fossem melhores do que o outro, não morreriam, não teriam odor se não tomassem banho, não suariam suas roupas, não fariam xixi, cocô, doenças nem passariam perto e ao invés de andar voariam como os passaros. O rico e o pobre terminam do mesmo jeito, como pó, a diferença está em quem tem Jesus Cristo no coração e quem não tem, porque as atitudes e conduta de vida são diferentes.

O povo baiano é alegre, receptivo, cheios de histórias e culturas, um povo ligado à família e aos amigos, imperfeitos como qualquer outros povos. Nesta postagem desabafo minha indignação pelas brincadeiras imbecís, pelas coisas faladas sem fundamentos que somos muitas vezes obrigados a ouvir. Graças a Deus estou numa faculdade, trabalhando, namorando, uma família linda. Meus amigos e colegas da Bahia alguns são técnicos em agrimensura, enfermeiras(os) (técnicas(os) e graduandos), estudantes de direito, de administração, sistemas de informações, geografia, história, comunicação social e outros cursos, é o povo baiano assim como qualquer brasileiro, sonhando, lutando e realizando sonhos, é Deus em nossas vidas nos levando além e nos mostrando que somos capazes. E como professora Rozânia sempre nos aconselhava, não devemos ficar calados, mas sim estudar e fazer a diferença, temos feito e desculpem amigos se em algum momento usei de palavras chulas.


Por: Diego Pinto.

Comentários

  1. Querido Diego, ao ler seu texto fiquei muito emocionada.Você realmente aprendeu a ama a Deus sobre todas as coisas, assim como se tornou um homem íntegro e muito valoroso.Muito bom mesmo seu desabafo, espero que muitos leiam e aprendam o que Jesus Cristo nos ensinou como cristão e como cidadãos de bem: "Ama o próximo como a si mesmo mesmo..." Em pleno século 21 somos obrigados a ouvir e presenciar tal comportamento e atitudes de pessoas retrógadas...As mesmas sofrerão preconceito quando sair do país...por serem apenaas brasileiros, o que nós todos somos...E Deus amou o mundo(negros, brancos,amarelos, nordestinos, baianos, paulistas...).
    Fico aqui, feliz em saber que os nossos ensinos foram aprendidos e são colocados em prática.
    parabéns pelo blog, Deus continue a te usar como instrumento de louvor e adoração, fazendo a diferença onde estiver.
    Um grande abraço com carinho.
    Sua ex-professora de Geografia, serva do Deus Vivo, baiana e nordestina com muito orgulho.

    Rozânia V. Araújo.Coaraci-Ba

    ResponderExcluir
  2. E, se invocais por Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, andai em temor, durante o tempo da vossa peregrinação.1 pedro 1:17

    acho que isso diz tudo, nem mesmo Deus fez acepção de pessoas ou faz,mas de todos os povos fez um em Jesus Cristo, quanto a esse tipo de atitude Deus vai julgar.abraço Di.
    Cibele

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Luto: "Biel voltou para casa, voltou para o céu!"

Testemunho de cura: MATHEUS PIVATO - 4 ANOS - O SUPERMAN!

Vídeo em homenagem ao meu cunhado Roberto