Brasil pra Jesus - Estado da semana: Alagoas

A região onde hoje se encontra o Estado de Alagoas foi invadida por franceses no início do século XVI, sendo retomada pelos portugueses em 1535, sob o comando de Duarte Coelho, donatário da capitania de Pernambuco, que organizou duas expedições e percorreu a área fundando alguns vilarejos, como o de Penedo. Também incentivou a plantação de cana-de-açúcar e a formação de engenhos. Em 1630, os holandeses invadiram Pernambuco e também ocuparam a região de Alagoas até 1645, quando os portugueses voltaram a conquistar o controle da região.
Em 1706 Alagoas é elevada à condição de comarca, primeiro passo para o alcance de sua autonomia. Em torno de 1730 a comarca possuía cerca de 50 engenhos, 10 freguesias e razoável prosperidade. A emancipação política aconteceu em 1817, quando a comarca foi elevada à condição de capitania. Durante os períodos subseqüentes, várias sublevações contra os portugueses se sucederam em Alagoas. A Primeira Constituição do Estado foi assinada em 11 de junho de 1891, em meio a graves agitações políticas, que assinalaram o início da vida republicana.
Em 1839 a sede do governo foi transferida da antiga cidade de Alagoas (hoje Marechal Deodoro) para Maceió.

PalmaresAconteceu em Alagoas por volta de 1630, a maior revolta de escravos ocorrida no País, onde se organizou o famoso Quilombo dos Palmares, uma confederação de quilombos organizada sob a direção de Zumbi, o chefe guerreiro dos escravos revoltosos. Palmares chegou a ter população de 30 mil habitantes, distribuídos em várias aldeias, onde plantavam milho, feijão, mandioca, batata-doce, banana e cana-de-açúcar. Também criavam galinhas e suínos, conseguindo extrair um excedente de sua produção, que era negociado nos povoados vizinhos. A fartura de alimentos em Palmares foi um dos fatores fundamentais para a sua resistência aos ataques dos militares e brancos em geral, durante 65 anos. Foi destruído em 1694. Em 1695, Zumbi fugiu e foi morto, acabando assim o sonho de liberdade daqueles ex-escravos, que só viriam a conhecer a sua libertação oficial em 1888.

Formação do NomeO nome Alagoas é derivado dos numerosos lagos que se comunicam uns com os outros e também com os diversos rios que banham a região.

Emancipação política
O povoamento do território alagoano se processou lentamente, mas admite-se que sua formação se originou de três grupamentos básicos: Penedo, Porto Calvo e Alagoas (atual Marechal Deodoro).

A região foi invadida por franceses no início do século XVI, sendo retomada pelos portugueses em 1535, sob o comando de Duarte Coelho, donatário da capitania de Pernambuco, que organizou duas expedições e percorreu a área fundando alguns vilarejos, como o de Penedo. Também incentivou a plantação de cana-de-açúcar e a formação de engenhos. Em 1630, os holandeses invadiram Pernambuco e também ocuparam a região de Alagoas até 1645, quando os portugueses voltaram a conquistar o controle da região.

Em 1706 Alagoas é elevada à condição de comarca, primeiro passo para o alcance de sua autonomia. Em torno de 1730 a comarca possuía cerca de 50 engenhos, 10 freguesias e razoável prosperidade. A emancipação política aconteceu em 1817, quando a comarca foi elevada à condição de capitania. Durante os períodos subseqüentes, várias sublevações contra os portugueses se sucederam em Alagoas. A Primeira Constituição do Estado foi assinada em 11 de junho de 1891, em meio a graves agitações políticas, que assinalaram o início da vida republicana.

Em 1839 a sede do governo foi transferida da antiga cidade de Alagoas (hoje Marechal Deodoro) para Maceió.

Aconteceu em Alagoas por volta de 1630, a maior revolta de escravos ocorrida no País, onde se organizou o famoso Quilombo dos Palmares, uma confederação de quilombos organizada sob a direção de Zumbi, o chefe guerreiro dos escravos revoltosos. Palmares chegou a ter população de 30 mil habitantes, distribuídos em várias aldeias, onde plantavam milho, feijão, mandioca, batata-doce, banana e cana-de-açúcar. Também criavam galinhas e suínos, conseguindo extrair um excedente de sua produção, que era negociado nos povoados vizinhos. A fartura de alimentos em Palmares foi um dos fatores fundamentais para a sua resistência aos ataques dos militares e brancos em geral, durante 65 anos. Foi destruído em 1694. Em 1695, Zumbi fugiu e foi morto, acabando assim o sonho de liberdade daqueles ex-escravos, que só viriam a conhecer a sua libertação oficial em 1888.

FONTE: (Ache de tudo regiões).

UM POUCO DA CULTURA:

Uma mistura de raças, cores e sabores fazem deAlagoas um estado único. Da Serra da Barriga, vem adescendência negra de Zumbi. Dos arredores deMaceió, toda a cultura indígena e a rica culinária. Os trançados das linhas produzem as rendas; filé, boa noite, labirinto... e das palhas, bolsas, cestas e peças de design singular de consumo obrigatório. As danças alegres, o cruzar das fitas e espelhos do Guerreiro, transmitem a todos o verdadeiro espírito alagoano.

Nas pesquisas feitas podemos observar, como o estado de Alagoas tem influência africana e índigina em sua cultura e crenças.

FONTE: (Turismo.Alagoas)

NOSSA ORAÇÃO:

PAI AMADO, PAI QUERIDO! A SEMANA PASSADA DEMOS NESTE ESPAÇO INÍCIO A ESTA SÉRIE DE INTERCESSÃO PELO ESTADOS BRASILEIROS, E HOJE SENHOR TE APRESENTAMOS O ESTADO DE ALAGOAS, TE ENTREGAMOS TODO O NORDESTE BRASILEIRO. DEUS, QUE ESTADO LINDO, DE BELEZAS NATURAIS DESENHADAS POR TI. RECONHECEMOS QUE SEM O SENHOR ESTES MARES NÃO EXISTIRIAM.
DEUS O SENHOR CONHECE ESTE ESTADO BRASILEIRO, SONDA OS CORAÇÕES ALAGOANOS E POR ISSO TE PEDIMOS NESTA HORA, SARA ALAGOAS, CURA MACEIÓ E TODAS AS SUAS CIDADES. SE HÁ MENDIGOS, PROSTITUTAS, ENFERMOS, BANDIDOS, PRECISANDO DE ALGUMA COISA, QUE O SENHOR SEJA A LIBERTAÇÃO QUE ELES PRECISAM.
PAI, SE NESTE LUGAR EXISTEM OUTROS TRONOS QUE NÃO SEJA O TEU, QUE CAIA POR TERRA NO NOME SANTO DE JESUS. SENHOR NÓS PROFETIZAMOS A SALVAÇÃO DA NAÇÃO ALAGOANA, PROFETIZAMOS JOVENS ABENÇOADOS, MULHERES SÁBIAS, HOMENS ÍNTEGROS, CLAMAMOS POR TODOS OS DOENTES, QUE SEJAM CURADOS PELO PODER DA ORAÇÃO. 
ESPÍRITO SANTO CAMINHE PELAS ÁGUAS DE ALAGOAS, PASSEIE POR ENTRE AS RUAS, OPERA MILAGRES E QUE O MUNDO SAIBA, QUE DE ALAGOAS TEM FLUÍDO O AGIR PODEROSO DO SENHOR.
PAI, TU CONHECES AS NECESSIDADES DESSE LUGAR, AS INFLUÊNCIAS QUE CHEGARAM ATÉ LÁ. QUE TEU NOME SEJA CONHECIDO NESTE ESTADO, QUE TEU TRONO SE ESTABELEÇA TAMBÉM EM ALAGOAS.
TE ENTREGAMOS MAIS ESTE ESTADO, CRENDO QUE CADA VEZ QUE ESSA ORAÇÃO FOR FEITA O INFERNO ESTREMECERÁ.
É O QUE PEDIMOS COM FÉ, CRENDO NA LIBERTAÇÃO E SALVAÇÃO DE ALAGOAS, NO NOME SANTO DE JESUS.
AMÉM!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Luto: "Biel voltou para casa, voltou para o céu!"

Vídeo em homenagem ao meu cunhado Roberto

Novo Logotipo da Igreja do Nazareno - entenda!