A quem Walcyr Carrasco consagrou “Amor à Vida”?


Por Michael Caceres


Quem demonizou “Salve Jorge” assiste “Amor à Vida”? Ou: a mistificação religiosa é menos absurda que a degradação de valores morais. Entre outras coisas, “Salve Jorge” havia sido consagrada ao demônio Ogum. Mas, “Amor à Vida”, expressa claramente a militância de um autor declarado gay. Alguém perguntará: “O que a ficção tem a ver com a vida?” É evidente que nada, salvo por um aspecto: o uso da ficção para influenciar em costumes morais. Sim, pois a ficção pode muito bem ser usada para a promoção de valores — ou desvalor, depende dos olhos de quem lê — capazes de influenciar na vida.
Entenderam? Walcyr usa da ficção para transmitir dados questionáveis, levantar questões de conceito duvidoso e desvalorizar os ditos conceitos tradicionais promovendo as bandeiras progressistas. Pode me chamar de conservador. Não me importo! Já foi o tempo que me importava com o que pensam ou deixam de pensar a meu respeito. O contrário, nestes dias, descobri que meus valores estão virando raridade. Respeito à crítica, a maioria das pessoas não, mas todos podem beneficiar-se dela. Sou da opinião que a critica deve ser feita com sabedoria e recebida com humildade. O que falta para Walcyr é aprender a valorizar a critica, não recusá-la, mas considerá-la um bem e manter-se calado. Colocar estas sugestões em prática o ajudará a escrever suas novelas sem militância, sem abordagem corporativa, sem uma linguagem tendenciosa.
Cabe uma pergunta, até óbvia demais: qual o sentido de reunir tantas microcausas em uma ficção? Reitero: fazer militância. Ou: a linguagem anticristã e a abordagem tendenciosa dos temas morais são apenas uma triste coincidência? Não estou falando apenas do episódio sobre aborto. Aquele que foi tão comentado, do médico muçulmano que se recusou a atender uma “pecadora” que fez aborto ilegal. E do médico mais velho usado para transmitir dados mentirosos: “Infelizmente, essa é uma das principais causas da morte de mulheres no Brasil”. Mentira! O número de mortes maternas no Brasil é menos de 2 mil por ano e o aborto corresponde a 5% dessas mortes. Não chega a 100. E da enfermeira judia que acusou as mulheres ricas de fazer aborto em segurança. Toda aquela pilhéria, que me fez rir pra não chorar.
“Amor à vida” vai mais fundo. Tem a enfermeira virgem que tenta de todas as formas perder a virgindade – nem que seja com um entregador de pizza. Perséfone está obcecada em se livrar do doloroso calvário que a vida lhe impôs: ter nascido virgem. Uma clara alusão à desvalorização do conceito cristão de que a relação sexual institui um laço entre homem e mulher que deve ser reconhecido pela condição única do casamento. Não é através de qualquer encontro casual que as moças devem buscar a perda do estado de pureza em que se encontram, mas através de uma relação amorosa, ao constituir família, ao firmar um relacionamento estável perante a lei.
Os traumas da forma como a novela apresenta a busca pela perda da virgindade de Perséfone seriam incalculáveis na vida real. Talvez o objetivo do autor seja outro, mas o que me parece é que ele tenta apresentar o sexo feminino como um objeto. Walcyr também pode estar dizendo que o trauma da personagem esteja ligado a uma dura criação, que forçava a moça a seguir preceitos religiosos. Ou ainda, que a personagem poderá morrer virgem se esperar pela pessoa certa. Tolice! Isso me embrulha o estomago!
Fico com vergonha de assistir as cenas que se seguem em “Amor à Vida”. Tem o médico preso por bigamia, após ter casado com duas mulheres ao mesmo tempo, enquanto um casal que se pega em qualquer lugar – foram flagrados em situação constrangedora no hospital que trabalham – comenta: “Todo mundo, pegando todo mundo e ele sendo preso por bigamia” (se fala não for essa, é algo neste sentido). Enquanto isso aquela evangélica inconveniente que trabalha na recepção do hospital San Magno dispara: “segundo a Bíblia a bigamia é pecado, vai contra a vontade de Cristo” – tudo em um tom irônico é claro.
Tem o diretor do hospital que obriga seu filho, o vilão assumidamente gay, a manter-se casado para não envergonhá-lo. Enquanto ele mantem uma relação extraconjugal. É demais para a minha inteligência! O autor não esconde o objetivo de desconstruir valores ditos tradicionais, ridicularizando a forma de viver da maioria, interferindo nas formas de família ditas tradicionais para impor seus ideais.
Eu não sei, ou sei, por que existe um interesse tão evidente da mídia em manipular informações e impor valores através da fixação psíquica de que todas as formas de família são corretas, menos o conceito de família existente na maioria dos lares. Os valores tidos como tradicionais são ridicularizados em horário nobre. A novela apresenta uma clara linguagem manipuladora, impondo temas polêmicos, promovendo a chacina de fetos, ridicularizando os valores morais e impondo uma ideologia de militância da minoria.
A militância do autor continua. Tem uma dupla de gays que quer ter um filho e como não conseguiram nenhuma barriga de aluguel que se enquadre no conceito moral que eles acreditam – se é que existe algum moralismo nisto – receberam a solidariedade de uma amiga para ser, não sei se existe, mas chamaram de “barriga solidária”. Como a inseminação artificial não dá certo, mesmo após várias tentativas, um deles resolve transar com a moça. Aí ela engravida. A ideia é transmitir o “lado bacana” de ter uma família diferenciada, se é que podemos chamar de família. Ou ainda, impor a opinião do autor, ou de uma militância de minoria que tenta a todo custo ridicularizar a maioria. Comigo não funciona! Não me pagam nesta e em nenhuma outra.
A novela transforma o repúdio ao aborto como algo patético e inaceitável, mesmo que a maioria da população condene a prática. Entendo. A novela que promove uma libertinagem sexual não teria outra opção a não ser apresentar argumentos favoráveis ao aborto, mesmo que para isso levante dados escandalosamente mentirosos. Pois bem, vamos além! Que família é esta apresentada pela Globo em horário nobre que trás um par de homens querendo engravidar uma amiga e a mesma disposta a transar com um deles e posteriormente entregar a criança para ser cuidada por eles? Se a emissora queria se superar, conseguiu.
O folhetim apresenta a mulher como um ser indigno. Apresenta a religião como um retrocesso. E segue a mesma linha de deboche ao criar um personagem evangélico sempre estapafúrdio e grosseiramente humilhado. Além de fazer clara apologia à prática homossexual e a cultura gay de desvalorização da família e ao tentar descontextualizar a imagem da mulher ao apresentar estúpidos argumentos sobre a sexualidade e o comportamento feminino.
Sigo para o fim
Pode não parecer, eu sei, mas o que se vê em “Amor à Vida” é uma manifestação absurda de uma militância agressiva, imposta até mesmo através do entretenimento familiar. Não existe argumento contrário, apenas a promoção dos valores — que, reitero, dramatiza o esforço da militância gay que tenta impor suas ideologias. Chamar de preconceituosa a opinião contrária à prática homossexual só teria cabimento se esta opinião fosse imposta, como neste caso. Ou ainda, tentar levantar dados falsos para convencer a maioria de que liberar o aborto é o melhor para a saúde da mulher é grosseiramente criminoso. Cabe a pergunta final: se “Salve Jorge” foi consagrada a Ogum. A quem Walcyr Carrasco consagrou “Amor à Vida”?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Luto: "Biel voltou para casa, voltou para o céu!"

Vídeo em homenagem ao meu cunhado Roberto

Novo Logotipo da Igreja do Nazareno - entenda!