No Outubro Rosa, Susie Valadão fala sobre a batalha contra o câncer







O Movimento Mundial “Outubro Rosa” organiza diversas atividades voltadas para a conscientização da população sobre a importância de se combater o câncer de mama neste mês. Para falar sobre um tema tão importante como esse, a pastora da Igreja Batista da Lagoinha, Susie Valadão, que já foi acometida pela doença, conta como foi sua luta e vitória sobre o câncer de mama.


  • A minha história com o câncer de mama começou em 2005. Durante o autoexame feito em casa, senti um fribroaodenoma. Naquele momento, pensei: “O que está acontecendo?”. E, então resolvi fazer consultas médicas.

O fribriaodenoma não era nada. Era simplesmente um pequeno nódulo que poderia ser retirado. Porém, também, foram reveladas microcalcificações e essas sim eram malignas. Elas estavam espalhadas pela mama e não tive outra opção que não fosse a mastequitomia: a retirada da mama.
Foi um impacto. Questionei: “E agora?”, “O que vai acontecer?”, “Vou ser curada por Deus ou vou experimentar o tratamento?”. Orei a Deus e pedi uma direção do Senhor. A direção era que eu me tratasse e, sendo assim, comecei o tratamento.
Lembro-me que, em vez de ficar questionando como seria o tratamento; como seria o dia seguinte após a quimioterapia; se sentiria dor ou não; ou seja, os problemas da doença em si; questionei qual era o propósito de Deus para mim naquele hospital e naquela situação.
No hospital, vi muita esperança, desesperança, força, fraqueza, alegria e tristeza; e também percebi que cada pessoa carrega dentro de si uma história e que as histórias são diferentes, mas com algo em comum: as histórias passam. Comecei a refletir sobre o que eu já tinha construído na minha vida até aquele instante; sobre o que eu já tinha escrito; sobre o que já havia se passado na minha vida; e se ainda tivesse a oportunidade de viver por mais algum tempo, o que faria; como seria a minha vida; e sobre o quê ainda poderia construir.
Fiz o tratamento por cinco anos e passado esse tempo novamente tive a notícia de que o câncer havia voltado. Existem muito momentos que a gente não entende os porquês e nem os pra quês, mas eles existem. Então, quando abri os exames e vi que os resultados estavam confirmando que o câncer havia voltado, não controlei minhas lágrimas.


Porém, em meio àquele choro, comecei a pensar: de que lado eu estou? Lembrei-me que, há muito tempo atrás, havia escolhido estar do lado da luz. Que eu havia escolhido Jesus, e isso significava que estava do lado da vida e não da morte. Que estava do lado da cura e não da doença. Do lado da paz e não da ansiedade. Do lado da alegria e não da tristeza. Ou seja, existem dois lados e eu havia escolhido estar do lado onde Deus habita; e porque eu havia escolhido Deus, sabia que a minha segurança estava numa rocha que é inabalável.
Depois desse momento, senti o Senhor enxugando dos meus olhos toda lágrima e iniciei uma segunda fase de tratamento. Porém, vieram outros questionamentos: “Por que Deus não pôde me curar de uma maneira instantânea?”, “Por que Ele não me curou na primeira fase do meu tratamento?”, “Será que as minhas súplicas pela cura não foram o suficiente?”, “Será que eu não busquei o Senhor da maneira correta?”.
Após esses questionamentos, concluí que eles não tinham fundamentos e tomei posse da Palavra de Deus que diz que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam ao Senhor. Também vi a minha situação como se eu fosse um dos amigos de Daniel. E como se estivesse no meio de uma fornalha, mas o fogo não me queimava. Não sinto a minha pele diferente; não sinto dor;  e não sinto os transtornos causados pela quimioterapia. O Senhor tem sido maravilhoso! Ele tem cuidado de mim e tem me poupado em todos os sentidos. Posso dizer que não há nada que garanta mais o nosso bem estar e nossa segurança do que amor e o cuidado de Deus.
Cuide-se! Faça os exames preventivos contra o câncer de mama.
Casada com o pastor Kaiser Vasconcelos, Susie (43) é mãe de três adolescentes
Fotos: Arquivo pessoal
Fonte: Site Rede Super
Texto: Cristiane Soares 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Luto: "Biel voltou para casa, voltou para o céu!"

Vídeo em homenagem ao meu cunhado Roberto

Novo Logotipo da Igreja do Nazareno - entenda!