Filhos... a matéria do Amor! parte 2


O COMEÇO DA PATERNIDADE

Difícil é escolher fotos que possam traduzir tantos sentimentos maravilhosos quando o assunto é o meu filho. Na postagem anterior expliquei um pouco sobre o sonho que sempre tive, o de ser pai. Contei resumidamente os primeiros passos dessa jornada, eu e minha amada Thaís sempre sonhamos com o dia em que teríamos o nosso bebê em nossos braços.

Hoje dando continuidade às séries de matérias especiais quero falar um pouquinho sobre o começo da minha paternidade. É engraçado como os pais são diferentes das mães, as mulheres com certeza nascem com este dom natural, as vezes ficava observando minha esposa, é como se ela sempre houvesse sido mãe, seria os treinamentos com as bonecas? (risos) Acredito que não tenha sido o caso da minha mulher que ao contrário amava mais um bom futebol, mas isso não vem ao caso agora.

Me lembro de muitos detalhes como quando peguei o meu filho no colo pela primeira vez no quarto do hospital, eu sempre tive pavor pegar bebês recém nascidos até aquele momento. Será que existem outros homens com este receio assim como eu tinha? Mas quando olhei aquele rostinho lindo, fui arrebatado pelo amor, os pais também amam intensamente. O dia do nascimento do meu filho foi um dos dias mais felizes de toda nossa vida, é impressionante como tudo nestes momentos nos causam tantas ansiedades. O trajeto para o hospital mal podíamos nos conter, a internação, a visita no quarto, até a ida ao momento do parto. Minha princesa estava tão cheia de medos, mas instantes antes de entramos para a sala onde ocorreria o nascimento do nosso príncipe, oramos juntos, de mãos dadas, Deus nos acalmou e colocava em nós a certeza que tudo ocorreria bem. Horas depois ouviríamos o chorinho mais lindo de todo o mundo, ele havia chegado, parecia um sonho mas era real. Pais são meios desengonçados ne? Quebrei alguns cabides no vestiário na troca de roupas, entrei na sala com o celular na cueca, a carteira ficou dentro do tênis, ou seja, deu pra perceber como eu estava, levei coisas que deveriam ter ficado no quarto. Quando olhava meu filho no berçário, via nele o melhor de nós dois, um amor como nunca sentido antes, ele veio para nos transformar por inteiro. 

Mas é em casa que a paternidade e maternidade começam pra valer. Enquanto minha querida estava tirando letra, eu meio bobo ainda me esforçava para aprender tudo o que não sabia. Dar banho mesmo fiz raras vezes, por muitos motivos: primeiro que eu tinha medo, temia que algo pudesse acontecer de errado, segundo que a disputa pra dar banho era grande, graças a Deus não faltou mãos abençoadas para isso. Hoje não tem nada mais especial do quê poder dar banho no meu garotão, ter esse momento com ele, somos amigos, somos pai e filho. O pai precisa participar de tudo e tenho certeza que fiz isso até aqui, errando e acertando, ajudando minha esposa, estando com ela, acordávamos juntos de madrugada. Os primeiros dias nosso bebê acordava de 2 em 2 horas, algum tempo depois que começou prolongar o sono, tudo muito cansativo e gratificante, é assim que acontece. Me sentia honrado em colocá-lo pra arrotar, trocar as fraldas (podem acreditar), ninar, quantas vezes me emocionei só de olhar o Miguel dormindo. A nossa vida mudou completamente, já não vivíamos apenas um para outro, existia mais um motivo, alguém por quem precisaríamos viver também, nosso filho. Nunca imaginei que ser pai fosse algo tão mágico e ao mesmo tempo tão assustador, as preocupações, até os medos, tudo isso passa nos acompanhar.

Em meio a tudo isso, mantenho dentro de mim a eterna gratidão a Deus pela vida do meu filho, por ter colocado a esposa, a mulher certa em minha vida, para juntos construirmos a nossa família.

O começo da paternidade não é fácil, mas há recompensas inimagináveis. Assim foi e assim tem sido, filhos dão um novo sentido a vida, é isto que sinto. Vivemos num aprendizado constante e que talvez nunca terá fim!

CONTINUA...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Luto: "Biel voltou para casa, voltou para o céu!"

Vídeo em homenagem ao meu cunhado Roberto

Novo Logotipo da Igreja do Nazareno - entenda!